terça-feira, 4 de setembro de 2012

Crianças Magras São Mais Inteligentes?

  Ser pai (ou mãe) no mundo hipercompetitivo atual não é fácil. Os casais são bombardeados com livros, matérias de revistas, programas de TV, de rádio, sites, palestras sobre como criar seu bebê do modo mais perfeito possível. Desde o pré-natal, o parto, a higiene na hora de casa visita, a escolha de cada brinquedo etc. 

   Não é raro atender no consultórios crianças de 9 anos que não fazem atividade física porque "não têm tempo". Dividem suas horas entre escola, banca, cursos de inglês, espanhol e mandarim, aula de música, psicoterapeuta, fonoaudiólogo. Os pais querem, de modo muito compreensível, oferecer todas as condições para que seus rebentos tenham pleno desenvolvimento intelectual e se posicionem bem no mercado. 

   Será que o peso também é importante para a cognição infantil? 

   Tentando responder à pergunta, pesquisadores da Universidade de Nova York avaliaram dezenas de crianças com síndrome metabólica (obesidade abdominal, HDL baixo, triglicérides elevados) mediante testes de inteligência e ressonância magnética, num estudo publicado na revista médica Pediatrics. Os resultados são impressionantes, mostrando diferenças notáveis numa idade em que ainda não houve tempo para que o excesso de peso conduza a problemas de circulação. 

   Quando comparadas com meninos normais, os obesos pontuaram menos em testes de aritmética, atenção, ortografia e flexibilidade mental. Seus hipocampos (áreas do cérebro responsáveis pela memória) eram tanto menores quanto mais grave era a síndrome metabólica. A substância branca exibia lesão microestrutural. Menos de 50 crianças obesas precisaram ser avaliadas para que o resultado já fosse estatisticamente significativo. 

   Criar filhos não é tarefa fácil. O artigo reforça a ligação íntima entre saúde mental e boa forma. Talvez não adiante comemorar mais um certificado do garotão com uma ida ao McDonald´s. Atenção redobrada, e exemplo em casa, papais e mamães (presentes ou futuros)!

Um comentário:

  1. Hoje as crianças têm uma vida muito sedentária. Antes havia o quintal. As famílias eram maiores e sempre havia alguém para as brincadeiras. Os adultos não ligavam tanto a tv para programas e muito menos vídeos. Nem se sentavam tanto frente ao computador. Além do mais, brincar com as crianças exige disposição e paciência e tempo, atributos hoje um pouco complicados. Criança tem que correr, subir, descer... Não é só a alimentação. É todo um tipo de vida, eu penso. Por outro lado, os pediatras falam muito em sobrepeso. Talvez se preocupem muito com a quantidade do alimento (não nego a importância do cuidado da alimentação) e não enfatizem tanto o tipo de vida que as crianças têm. É uma coisa lógica redobrar a atenção com comidas tipo MacDonald, mas não vai ser uma sobremesa depois do almoço ou um biscoitinho na hora do lanche que vão provocar uma tragédia. Como você tão bem escreveu gordura e sobrepeso são nocivos. Como em tudo na vida, nada como o equilíbrio.

    ResponderExcluir