domingo, 15 de abril de 2012

Que Mal Faria um Refrigerante?


Qual o perigo de tomar um refrigerante? Será que para quem é magro e tem os exames de sangue normais isso traria algum prejuízo?

De acordo com um estudo publicado na prestigiosa revista médica Circulation, até uma latinha por dia seria arriscada. A pesquisa acompanhou mais de 42 mil homens por 22 anos e observou um risco 20% maior de ter um infarto naqueles que tomavam uma lata de refrigerante por dia.

Os achados não se repetiram quando se avaliaram as versões diet/zero, que demonstraram perfil de risco neutro. Os refrigerantes comuns se associaram com menores níveis de HDL (o bom colesterol) e elevação de triglicérides e de marcadores de inflamação. Os investigadores levaram em consideração na análise estatística fatores de confusão como peso, história familiar, atividade física, idade e tabagismo.

Antes de discutir o assunto, precisamos reconhecer que o brasileiro consome bastante refrigerante: são vendidos mais de 14 bilhões de litros por ano. Entre 1995 e 2006, o consumo per capita cresceu mais de 20%: saiu de 57,6 para quase 70 litros por ano. Nas regiões Sul e Sudeste é de cerca de 90 litros por ano.

Dados do ministério da Saúde apontam que 30% dos brasileiros consomem refrigerante ao menos 5 dias por semana. Os refrigerantes diet/zero representam menos de 10% deste volume.

O assunto "adoçantes" está longe de consenso. Não há dúvidas, entretanto, do risco que o excesso de açúcar (mesmo em sucos adoçados) representa. O estudo da Circulation traz um alívio no clima de fobia da ciência de alimentos, embora reconheça as limitações numa área que tem muito a desvendar. Talvez só com uma melhor interação entre epidemiologia, internet e redes sociais possamos compreender melhor como os hábitos de consumo alimentar repercutem sobre nossa saúde. Até lá, fujo do que se diz um refrigerante "normal".

Um comentário:

  1. Temos que ter muito cuidado em falar mal de refrigerantes, a Coca Cola some com os corpos! hehehe

    ResponderExcluir