domingo, 8 de janeiro de 2012

Mamadeira e Obesidade Infantil


O aumento da obesidade infantil nos últimos anos é visível em qualquer shopping center. Os números são tão alarmantes que se teme uma explosão na incidência de diabetes e doenças cardiovasculares para as próximas décadas.

Diante deste contexto, um estudo de 2011 ajuda um pouco na inglória tarefa de deixar uma criança mais magra. Publicado no Journal of Pediatrics, avaliou a relação entre uso de mamadeira e obesidade infantil.

Quase 7000 crianças de diferentes etnias, nascidas em diversos estados americanos, foram avaliadas através de entrevistas com suas mães. Observou-se, após ajuste para fatores de confusão (obesidade materna, amamentação e critérios sociodemográficos, dentre outros), que o uso de mamadeira aos 2 anos de idade estava associada a um risco 33% maior de obesidade quando se alcançavam os 5 anos.

Não é de hoje que a mamadeira está na mira dos pediatras. Associa-se o seu uso prolongado à maior incidência de cárie e à deficiência de ferro. Ainda assim, não é raro que mães (muitas vezes no limite da paciência) ponham o filho para dormir com uma mamadeira no berço. O seu uso como um “calmante”, quando a criança sequer está com fome, pode ser uma explicação para a correlação com o excesso de peso.

Que não se caia, entretanto, na tentação de querer colocar na mamadeira toda a culpa pela obesidade infantil. Em 2010 foi publicado no periódico Pediatrics um estudo de intervenção no qual a redução do uso de mamadeira não foi capaz de reduzir o IMC das crianças. Ainda assim, diante dos demais riscos associados, é seguro recomendar abolir a mamadeira a partir dos 12 meses de idade.