terça-feira, 22 de março de 2011

Mais um Gol da Metformina


A metformina é uma medicação antiga, barata e segura para o tratamento do diabetes mellitus. De quebra, induz um pouco de perda de peso. Tradicionalmente prescrita para combater a resistência à insulina, tem demonstrado capacidade até de ajudar na preservação do pâncreas.

Numa época de "caça às bruxas", em que todo medicamento é responsabilizado por infarto, derrame, infecções, alergias, esquizofrenia-em-saci-pererê etc., não pode passar batido um artigo sobre a metformina. Publicado na última edição do Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, ele avalia a influência do medicamento sobre as células do adenocarcinoma de útero. Este representa um tumor bastante frequente, mais ainda em obesas.

Analisando em laboratório a capacidade de células tumorais invadir tecidos e provocar metástases (sim, já existem sistemas artificias para medir isso), verificou-se que o soro de mulheres tratadas por 6 meses com metformina era diferente do mesmo soro antes do tratamento. Após o uso da medicação, tinha a propriedade de reduzir a invasividade das células malignas.

O estudo é coerente com outros artigos, que relatam menor incidência de câncer nos diabéticos que usam o fármaco. Mais um gol da (veterana) metformina.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Aleitamento, Alimentos Sólidos e Risco de Obesidade


Ainda há controvérsias sobre o momento de introduzir alimentos sólidos para o bebê. Um dos motivos para a dúvida consiste no receio de que progredir a alimentação muito precocemente poderia aumentar o risco de obesidade.

Um pesquisa realizada em Boston, publicada este mês no periódico Pediatrics, avaliou 847 crianças, sendo que um terço delas não havia sido amamentada (também foram alocadas para este grupo as que mamaram por menos de quatro meses). O grupo do aleitamento exclusivo teve uma prevalência de obesidade bem inferior aos 3 anos de idade: 7%, contra 13% daqueles que receberam fórmulas lácteas.

No grupo dos bebês amamentados, a época de introdução de alimentos sólidos não interferiu no risco de obesidade. Entre os que não mamaram no peito, ou o fizeram por menos de 4 meses, a introdução precoce dos alimentos sólidos (antes dos 4 meses) elevou em 6 vezes o risco de desenvolver obesidade.

A discussão sobre amamentação é complexa e envolve aspectos hematológicos, imunológicos, culturais e emocionais. O estudo, embora com um número limitado de crianças, fornece mais um subsídio em favor do aleitamento materno exclusivo ao menos até os 4 meses de idade.

sábado, 12 de março de 2011

"Com Todo o Respeito...o Senhor Está Acima do Peso"


Certas coisas não deixam de ser importantes pelo fato de serem simples. Um estudo publicado no mês passado na prestigiosa revista médica Archives of Internal Medicine avalia a importância de o médico falar ao paciente que ele está acima do peso.

Pode parecer banal, mas o artigo revela que menos da metade daqueles com sobrepeso (IMC > 25) é avisada do problema pelo médico. Entre os obesos (IMC > 30), um terço sai da consulta sem referência ao excesso de peso.

O mesmo estudo mostra que o simples fato de comunicar que o sujeito está com alguns quilos a mais dobra a probabilidade de o paciente tentar perder peso. Para quem de fato quer o bem daquele que está com sobrepeso, nada de papas na língua e excesso de formalidades: "com todo o respeito...o senhor está acima do peso!"