domingo, 10 de outubro de 2010

Sibutramina retirada do mercado nos Estados Unidos


Já que o mês é de Halloween, segue a "caça às bruxas". O FDA suspendeu a comercialização da sibutramina nos Estados Unidos, com base nos dados do estudo SCOUT (que mostra aumento do risco de infarto e derrame nos usuários de sibutramina que já possuíam histórico de doença cardiovascular.

A decisão saiu na sexta (8 de outubro) e fica a torcida para que a ANVISA não siga os passos dos gringos. Aguardem novos dados de aumento da obesidade no país caso ocorra a suspensão também no Brasil.

3 comentários:

  1. Será que fizeram um 'cross-check', uma análise percentual entre o *alegado aumento do risco* de infarto e derrame entre os obesos (que perderiam peso com a sibutramina, apesar do 'aumento do risco') e o *risco real* pelo simples fato de estarem obesos?

    Essa decisão me parece ter sido fruto de lobby de advogados de entidades médicas, com medo de ações judiciais em caso de eventuais incidentes.

    Mais um retrocesso na saúde, mais um soco no estômago da ciência motivado por pura paura de colarinho branco.

    ResponderExcluir
  2. Ae, Dudu!!!
    Domingo de manhã tem Paysandu x Salgueiro direto da Curuzu ao vivo na TV Brasil!
    Estarei lá!
    Assiste o jogo, velho!!!

    ResponderExcluir
  3. Beatrice,

    Analisar os dados levando em consideração não apenas o peso médio, mas também idade, níveis de colesterol, tabagismo e uma série de outros fatores faz parte da rotina de estudos deste porte. Não foi diferente com o estudo SCOUT, que motivou toda a celeuma.
    A votação do FDA terminou empatada, com a Abbott espontaneamente retirando a medicação do mercado. Há quem especule que o medo de futuros processos tenha influenciado a decisão. Perdem com isso os obesos, os endocrinologistas, os trabalhadores da indústria farmacêutica e de farmácias. Difícil encontrar quem ganhe algo com essa proibição. Talvez farmácias de manipulação, cujo lobby nem é tão poderoso assim.

    ResponderExcluir