domingo, 30 de agosto de 2009

Verdades sobre as gorduras


A última edição dos Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia veio como um suplemento especial focado em aspectos de nutrição. São 19 revisões de excepcional qualidade abrangendo temas como fibras, homocisteína, antioxidantes, vitamina D. Espero postar alguns resumos e comentários a partir desses textos.

Um belo artigo, escrito pela Ana Maria P. Lottenberg (nutricionista do HC-FMUSP), aborda o impacto dos diferentes tipos de gordura alimentar nas doenças metabólicas e cardiovasculares. É uma pena perceber que alguns conceitos bem estabelecidos na comunidade científica ainda são desconhecidos pela maioria da população.
Eis alguns dados que muita gente desconhece:

1- Mesmo as gorduras mono ou poliinsaturadas, tidas como “boas gorduras”, por reduzir o LDL (“mau colesterol”), são extremamente calóricas. Cada grama de azeite de oliva tem 9kcal (compare: 50g são quase um McChicken - 496kcal). Quem quer perder peso não deve afogar a salada no azeite.

2- Por incrível que pareça, a ingestão de colesterol não tem tanto impacto sobre os níveis de colesterol no sangue. Três quartos do colesterol que usamos a cada dia são sintetizados no próprio organismo. O efeito do colesterol da dieta é menor se comparado ao da quantidade de gorduras saturadas ou trans.

3- Nem toda gordura vegetal é boa. Azeite de dendê, leite de coco e manteiga de cacau são ricos em ácido palmítico e esteárico (gorduras saturadas).

4- A gordura trans consegue ser pior do que a saturada (eleva o LDL, reduz o HDL e predispõe à obesidade abdominal e doença cardiovascular). Engana-se, entretanto, quem acha que pode consumir tranquilamente os produtos “0% trans”. Geralmente substituem por gordura saturada, cujos efeitos incluem aumento do LDL e do risco de doença cardíaca.

2 comentários:

  1. Excelente artigo sobre os problemas alimentares e porque estamos vivendo uma pandemia da obesidade.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Fabio! Acompanhe os próximos posts!

    ResponderExcluir